Categories
Uncategorized

Como lidam com insónia crónica?

Desde que me lembro, sempre tive problemas de sono. Se na noite de sábado para domingo dormisse mais 2 ou 3 horas do que o habitual, não conseguia dormir absolutamente nada na noite de domingo para segunda. Lembro-me de ir ter com a minha mãe e dizer-lhe “mãe… não consigo dormir…” e ela dava-me um xarope de Atarax (anti-aliérgico sedativo), mas não fazia qualquer diferença. Nas noites em que dormia, levava pelo menos 2 horas a adormecer.

Há cerca de 3 anos, comecei a ter problemas sérios de depressão. Não respondendo a anti-depressores “normais” (SSRIs), o meu médico passou-me Quetiapina. Embora seja tecnicamente um anti-psicótico, em doses baixas funciona como anti-depressivo e sedativo (é um anti-histamínico muito potente). Isto melhorou o meu sono IMENSO. A sedação que experienciava após 40 minutos de tomar a Quetiapina era brutal. Era impossível ter os olhos abertos por mais de uma fração de segundo. Durante 1 ano e meio, o meu sono foi fantástico. Levava à mesma pelo menos 1.5 horas a adormecer, mas nunca mais tive noites sem dormir.

Infelizmente, faz agora 3 anos que tomo a Quetiapina, e já não tem qualquer efeito sedativo. Nem a Quetiapina, nem uma variedade de medicamentos sedativos como outros antipsicóticos (olanzapina, levomepromazina, ciamemazina), antidepressores sedativos (trazodona, mirtazapina, trimipramina), e outras substâncias (gabapentina, melatonina).

Isto não foi um grande problema até há uns meses. O que aconteceu foi que no verão comecei a sofrer de insónia extrema. Chegava a haver alturas em que nos últimos 3 dias só tinha dormido 1-2 horas em cada. Nestes dias, sofri tanto, com um sentimento horrível que nem sei como descrever. Nem quando estive profundamente deprimido há 3 anos me sentia tão mal. Eu só pensava, “se não dormir hoje vou me ter de matar, não aguento outro dia assim”. Durante todo o dia só conseguia pensar em como não dormi, em como provavelmente não ia dormir nessa noite, no que a minha vida ia ser se isto não acabasse. Inicialmente pensei ser por causa do anti-depressivo que tinha começado à relativamente pouco tempo (tianeptina), mas mesmo semanas depois de o parar continuava a não conseguir adormecer.

A única coisa que me salvou foi o Lorazepam (Lorenin). É uma benzodiazepina ansiolítica e hipnótica, e como eu nunca tinha tomado medicamentos desta categoria, funcionou. Só que, infelizmente, só se pode tomar no máximo 4 semanas, pois traz problemas de tolerância e dependência. Eu sabia o mal que isto me ia fazer, até porque se desenvolvesse tolerância então não teria nada para me “salvar”. Tomei-o cerca de 5 semanas, e depois parei, no final de Setembro. Os 4 ou 5 dias seguintes foram maus em termos de sono, mas consegui tolerar, o meu sono ficou progressivamente melhor, e a minha insónia extrema pareceu ficar resolvida.

Infelizmente, nas últimas 2 semanas voltei a começar a ter problemas a adormecer. Foi exatamente assim que a minha insónia extrema no verão começou.

E tenho medo. É difícil explicar a uma pessoa que não sofre de insónia severa o quão mau ela pode ser… mas é uma experiência que eu espero nunca ter de voltar a repetir.

E o que me chateia mais é que não há basicamente mais nada para tentar… Benzodiazepinas e Z-drugs só se pode tomar 2/4 semanas no máximo. E tudo o resto, que se pode tomar por mais tempo, não funciona. Não tenho mais nada para tentar, e o meu próprio psiquiatra diz que “não sabe o porquê do meu sono ter estas oscilações”.

Na vida eu só quero duas coisas: um antidepressivo que funcione, e não ter de lidar com insónia. Porque tendo estas duas bases, é trabalhar para atingir os meus objetivos. Mas sentindo-me mal o tempo todo e dormindo 1 ou 2 horas por dia… é mais difícil.

Há alguém aqui no sub que tenha passado por algo semelhante, e que queira partilhar a sua história? Conheço o /r/insomnia, mas gostava de ouvir portugueses, uma vez que esse sub é maioritariamente dos EUA, e faz-me sentir que sou a única pessoa cá que tem estes problemas.

submitted by /u/nortonsky
[link] [comments]