Categories
Uncategorized

Tarifa de electricidade – potência contratada

Nunca tinha pensado sobre o assunto até hoje um colega me referir que, por exemplo, no Reino Unido, não existe “potência contratada” na conta da electricidade. Pagam por kWh e pronto. Claro que haverá um limite superior por residência/zona mas não estou informado.

E daqui surge a pergunta: porque é que os portugueses têm de pagar x€/dia para ter determinada potência?

Uma resposta poderá ser para as distribuidoras saberem com o que contar de cada cliente, e se eu usar bem mais electricidade posso estar a colocar alguma carga não prevista na rede e devo pagar mais por isso.

Mas fará isso sentido? Porque é que a gestão da rede não é melhor feita do lado deles e eu como cliente não tenho de estar preocupado se uso muito ou pouco, simplesmente uso. Claro que aceitaria que não há um limite (claro que há mas vamos supor um limite de 25 kVA) mas a partir de determinada potência eu pagaria mais por kWh, como se de uma tarifa especial por estar a fazer uma utilização maior se tratasse.

Exemplo meramente representativo da ideia:

kVA (em tempo real) €/kWh
1.15 0,0728
2.3 0,074
3.45 0,075
4.6 0,076
5.75 0,077
6.9 0,078

Porque é que as distribuidoras não fornecem modelos de contrato diferentes? (podem até existir mas não estou informado) Poderia haver o tradicional e uma versão deste exemplificado.

Outra maneira de funcionar seria cada cliente dizer a espectativa de kVA e consoante essa espectativa pagaria mais por kWh.

Outra situação é o contador disparar caso ultrapasses a potência. Porque é que a minha luz tem de ir abaixo só porque eu tenho contratado 4.6 e estou a usar 5 kVA (não sei qual o limiar)? Porque é que não podemos ter um sistema ligeiramente mais avançado (smart meters e afins) e ser notificado que estou a usar mais do que contratei e por isso estou a pagar mais por kWh?

  1. Qual a razão histórica para haver patamares de kVA?
  2. Desde quando é que as distribuidoras têm este modelo de contrato?
  3. Por que razão outros países não têm e não precisam de ter este modelo de contrato como Portugal tem na potência contratada?
  4. Porque é que não existem modelos de contrato diferentes para consumidores residenciais?

Imagino que muitas das respostas a estas perguntas se prendam com o custa da produção/distribuição mas queria encontrar mais informação para suportar esta ideia

submitted by /u/andrepcg
[link] [comments]